INVENÇÕES QUE MUDARAM A VISÃO DO MUNDO

Nos dias atuais, parece cada vez mais nítido que estamos sempre dependendo da tecnologia para fazer nossas tarefas diárias. Seja para passa o tempo só nos entretendo ou alguma situação profissional, a verdade é que a tecnologia está indo para um caminho que sempre visa facilitar a nossa vida.

Devemos lembrar, que tudo o temos e acontece hoje em termo de tecnologia, começou a muito anos atras, com invenções que mudaram a nossa visão, nossa vida, e transformaram o mundo todo e ainda , se pararmos um pouco para pensar, podemos perceber rapidamente o quanto a tecnologia é rápida em seus avanços.

 

LUZ ELÉTRICA

 

 

A Luz Elétrica Ao ser inventada em 1879, possibilitou que a indústria se desenvolvesse e revolucionou o estilo de vida das pessoas. A invenção da lâmpada incandescente pelo americano Thomas Edison, permitiu capturar a energia elétrica e recriar um céu terrestre.

Thomas Edison conquistou o crédito que se atribui a ele como “inventor” da lâmpada elétrica, em razão de ter conseguido fazer uma lâmpada permanecer acesa por aproximadamente 48 horas, ou seja um verdadeiro recorde se comparado às tentativas que foram feitas pelo inglês Swan e sua lâmpada elétrica, um ano antes, em 1878. Thomas Edison alcançou sua fama e crédito pela lâmpada elétrica, ao acendê-la na tarde de 21 de outubro de 1879, depois de inúmeras tentativas anteriores. Mas também, porque recebeu os apoios e os recursos financeiros necessários para industrializá-la em larga escala e comercializá-la, já no ano seguinte (1880). Ficou muito rico porque obteve a patente daquela lâmpada cujo filamento era uma linha revestida de carvão.

O coração da lâmpada incandescente é um fino fio metálico enrolado em hélice chamado filamento. Quando uma corrente elétrica passa através do filamento, ele se aquece a uma temperatura tão alta que passa a emitir uma radiação da parte visível do espectro “luz visível”, Este processo é denominado incandescência e se deve ao atrito criado entre os elétrons quando se fecha a corrente. Alguns elétrons se soltam e se transformam em fótons. Contudo quando o filamento opera muito quente, a sua vida é encurtada, assim o projeto de cada lâmpada é o equilíbrio entre a eficiência e vida. Este é o motivo por que lâmpadas de mesma potencia (watts) podem ter diferentes fluxos luminosos (lumens) e diferentes horas de vida.

 

A FOTOGRAFIA

 

O pintor e físico francês Louis Daguerre, em 1831, descobriu que a imagem pode ser capturada e reproduzida por meio de uma câmara escura. Em sua homenagem, durante os primeiros anos, a máquina fotográfica era conhecida como daguerreótipo.

Apesar de Niépce ter apresentado as primeiras imagens, o título de ‘inventor da fotografia’ ficou com seu colega francês Louis-Jacques Daguerre (1787-1851), com quem trabalhou de 1829 a 1833. Em 7 de janeiro de 1839, Daguerre apresentou na Academia Francesa de Ciência, em Paris, sua invenção – o daguerreótipo. Esse aparelho consistia em uma caixa preta, na qual era colocada uma chapa de cobre prateada e polida que, submetida a vapores de iodo, formava sobre si uma camada de iodeto de prata. Essa placa era exposta à luz dentro de uma câmara escura por 4 a 10 minutos. Depois, era revelada em vapor de mercúrio aquecido, que aderia ao material nas partes onde ele havia sido sensibilizado pela luz, formando a imagem.

O processo todo, chamado de daguerreotipia, foi apresentado ao público no dia 19 de agosto de 1839. O grande lance de sorte de Daguerre foi a descoberta do mercúrio como revelador, o que reduziu o tempo de exposição à luz. As histórias contam que isso aconteceu por acaso. Daguerre teria guardado uma placa que tinha ficado pouco tempo exposta à luz em um armário no qual havia também um termômetro de mercúrio quebrado. No dia seguinte, ele notou que uma imagem visível havia se formado sobre a placa. Graças ao mercúrio, as áreas atingidas pela luz apareciam claras e brilhantes.

 

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

 

 

Revolução Industrial – A economia mundial sofreu modificações profundas a partir da segunda metade do século 18, quando se iniciou, na Grã-Bretanha, a Revolução Industrial – estreitamente relacionada ao desenvolvimento do sistema capitalista, a industrialização se estendeu por todo o mundo e determinou o surgimento de novas formas de sociedade, de estado e de pensamento.

Em sentido restrito, a expressão “Revolução Industrial” aplica-se às transformações econômicas e técnicas ocorridas na Grã-Bretanha, entre o século 18 e 19, com o surgimento da grande indústria moderna – em sentido amplo, refere-se à fase do desenvolvimento industrial que corresponde à passagem da oficina artesanal ou da manufatura para a fábrica e, no plano econômico geral, esse processo se fez acompanhar da transformação do capitalismo comercial, que se iniciara no Renascimento, no capitalismo industrial.

A Revolução Industrial inglesa estendeu-se depois ao centro-oeste da Europa e aos EUA e conferiu a essas regiões grande supremacia sobre as nações européias e não-européias que ficaram à margem dessa revolução, em virtude do mecanismo de acumulação de capital inerente ao capitalismo moderno, criando-se assim um descompasso crescente entre países industrializados, economicamente desenvolvidos, e países não industrializados, ou subdesenvolvidos, de economia dependente.

A expressão Revolução Industrial não é aceita pacificamente – alguns economistas argumentam que a palavra “revolução” indica mudanças súbitas e bruscas, que não ocorrem na economia – os próprios contemporâneos do fenômeno, no entanto, viram-no com esse caráter revolucionário.

Arthur Young, economista inglês do final do século 18, denominou-a como “uma revolução que está sendo feita”, porém, reconhecida pelos socialistas, essa expressão foi difundida pelo economista Arnold Toynbee, tio do historiador homônimo, em A Revolução Industrial (The Industrial Revolution, 1884).

 

TELEFONE

 

 

Telefone Bell – 1876 Réplica do modelo de 1876 que acompanhou o requerimento apresentado por Alexander Graham Bell ao Serviço de Registo de Patentes, em 14 de Fevereiro desse ano. Esta peça executada no Museu das Ciências de Londres, de acordo com o original existente naquele Museu, constitui o testemunho material do início da telefonia. O escocês Alexandre Graham Bell, em 1876, foi quem realizou a primeira ligação entre dois aparelhos. Doutor Watson, preciso do senhor aqui imediatamente". Essa foi a primeira frase pronunciada ao telefone para um de seus assistentes e se deu por meio de fios elétricos

A história do telefone começou com uma grande complicação. Em fevereiro de 1876, o senhor Graham Bell depositou, na Seção de Patentes de Washington, a descrição e os desenhos de um aparelho eletromagnético que permitia a duas pessoas falarem e ouvirem-se a grande distância. Algumas horas depois dele, apresentou-se na mesma seção o senhor Lisha Gray, que consignou a descrição e os desenhos de um aparelho idêntico ao de Bell. A coincidência era muito estranha para não se pensar que um tinha furtado a idéia do outro. E como ambos afirmavam que a invenção era fruto do seu próprio engenho, o caso foi parar nos tribunais.

 

 

Aquele pequeno aparelho não era coisa banal: a idéia valia vários milhões de dólares. Realmente, se o telégrafo já estava difundido e, como ele, os sistemas para comunicação à distancia já tinham dado um grande passo à frente, o telefone constituía uma novidade de enorme importância, porque permitiria comunicações imediatas e diretas entre os habitantes e os escritórios de uma mesma cidade. Gray acusou Bell de fraude; no tribunal, Bell jurou que a idéia era sua e acreditaram nele.

 

TELEVISÃO

 

 

A televisão Foi inaugurada em 1936 pela BBC Inglaterra, e produzida em massa após 1945. No entanto, J.L. Baird, utilizando um sistema bastante rudimentar de TV, conseguiu em 1923, na Inglaterra, transmitir uma silhueta em movimento, com muita imperfeição. Já em 1925, Baird e o americano C.J. Jenkins transmitiram imagens em movimento mais aperfeiçoadas, em tons cinza.

Em 1935, os inventores conseguiram captar imagens de cenas mediante iluminação natural com grandes detalhes. Na França, a primeira transmissão foi feita em 1935, da Torre Eiffel. Nos Estados Unidos, em 1939. No final de 1940, a TV já estava à disposição de todos em âmbito comercial.

Quase 50 anos antes de se tornar realidade, a televisão já era umas das invenções viáveis. Seus princípios fundamentais haviam sido desenvolvidos de maneira independente em vários países. Ela só não apareceu antes porque não havia comunicação entre os seus pioneiros e por algumas ideias estarem mais adiantadas do que a tecnologia disponível.

O princípio fundamental sobre o qual operam todos os padrões da televisão moderna – o rápido esquadrinhamento de uma cena linha por linha para formar uma imagem – havia sido proposto já nos primeiros anos de 1880 por W. E. Sawyer, nos Estados Unidos, e Maurice Leblanc, na França. Um aparelho que podia realizar essa façanha – um disco mecânico-rotativo que decompusesse e reconstruísse a imagem – foi desenvolvido em 1884, na Alemanha, pelo inventor Paul Nipkow, um jovem de 24 anos.

Ainda estudante, o russo Vladimir Kosma Zworykin (1889-1982) discutia com seu mestre, o professor Rosing, a possibilidade de criar a televisão. Desde 1906, Rosing julgava ter a solução prática para a TV. Seria a utilização de um tubo de raios catódicos – o emprego de elétrons que, emitidos pelo filamento negativo e superaquecido de um tubo de raios catódicos, formam um feixe que, em movimentos rápidos, atinge a tela desse tubo, ponto por ponto, formando imagens luminosas. Era a base da invenção da televisão. A câmera de TV transforma o quadro luminoso da cena numa série de sinais elétricos que modulam uma onda condutora de rádio de alta freqüência. Dessa forma são transmitidos pelo espaço até serem recebidos pelo receptor, onde são convertidos em variações luminosas, reconstituindo a imagem sobre a tela de um tubo catódico no aparelho receptor.

 

COMPUTADOR – UMA DAS INVENÇÕES QUE COMEÇOU A TRANSFORMAR O MUNDO

 

A primeira tentativa para construir um computador ocorreu em 1951, resultando em uma máquina denominada UNIVAC 1. Em 1946, o exército americano patrocinou o desenvolvimento do ENIAC (Calculadora e Integrador Numérico Eletrônico), o qual pesava 30 toneladas, possuía 70.000 resistores, 18.000 válvulas a vácuo e foi construído sobre estruturas metálicas com 2,75 metros de altura. Quando acionado, o consumo de energia fez com que as luzes da Cidade de Filadélfia piscassem.

 

 

INTERNET – UM MARCO NA DESCOBERTA REVOLUCIONÁRIA

 

 

A Internet foi mais uma das grandes  invenções, e foi criada em 1969 para fins militares, um pedido do Departamento de Defesa dos Estados Unidos da América a uma equipe de pesquisa de universidades americanas para que projetasse um sistema de comunicação invulnerável a um eventual ataque nuclear (CASTELLS, 2000). Esse sistema de comunicação foi comercializado na segunda metade da década de 1990.
13. Continuação sobre a internet Foi privatizada e se tornou tecnologia comercial. No Brasil, em maio de 1995, a Embratel lançou o serviço definitivo de acesso comercial a Internet (ABRANET, 2005). Atualmente, estão disponíveis às comunidades de pesquisa e aos setores comerciais uma infinidade de serviços e produtos oferecidos via rede.

A internet está presente na vida de milhares de brasileiros e a cada dia ganha novos adeptos, tornando-se, hoje parte fundamental da vida das pessoas, graças à segurança e inúmeras funcionalidades que o ambiente online oferece. Mas, quando foi que a internet começou no Brasil? Veremos um breve comentário da História da Internet no Brasil.

A internet, tal como conhecemos hoje, não foi previamente inventada, isto é, não houve um projeto que tivesse esse objetivo, mas, seu surgimento se deu através do desenvolvimento de projetos base, que criavam ambientes internos de rede, evoluindo para o que ela se transformou e se encontra atualmente.

O projeto-base que deu início aos sistemas de rede foi desenvolvido em 1969, pela Agência de pesquisa de projetos Avançados, que se configura como uma subdivisão do Departamento de Defesa dos Estados Unidos e tinha como objetivo fazer a descentralização de informações valiosas do governo Americano, de forma que eles estivessem em vários servidores mas, ao mesmo tempo, pudessem ser acessados. A ideia dessa descentralização era evitar a perda desses dados em caso de ataques às centrais onde eram armazenados, como, por exemplo, se uma bomba explodisse no local e destruísse tudo. É importante lembrar que nesse período, os Estados Unidos travavam uma Guerra Fria contra a União Soviética.

Internet e o protocolo TCP IP

 

 

Em seguida os cientistas Vinton Cerf e Bob Khan criaram o TCP IP que nada mais é do que um conjunto de protocolos de comunicação entre computadores em rede.

Em seguida a ideia foi incorporada às universidades e mais tarde o cientista britânico Tim Berners-Lee e o CERN, Conseil Européen pour la Recherche Nucléaire – Centro Europeu de Pesquisas Nucleares, criaram a World Wide Web ou WWW. Nascia ai a Web como nós a chamamos.

A web foi um ambiente onde as pessoas pudessem compartilhar arquivos no formato HTML e outras pessoas pudessem acessá-los através de um browser ou navegador, como o Internet Explorer, por exemplo.

 

Tim Berners-Lee, o inventor da web

 

 

Tim Berners-Lee esteve no Brasil em 2009 participando de um evento em São Paulo chamado Campus Party. Ele atualmente trabalha no W3C, órgão que coordena o desenvolvimento de tecnologias e padrões para a web. Além do W3C ele é pesquisador do MIT e professor de ciência da computação na Universidade de Southampton. Na Inglaterra, este cientista também for condecorado como cavaleiro pela Rainha Elizabeth II, devido à importância de suas contribuições.

No Brasil, o desenvolvimento da Internet se iniciou no meio acadêmico, de forma que, ao final dos anos 80, era utilizada apenas por professores e funcionários das principais universidades do país. Essa atividade oficial se iniciou em 1988, quando o Laboratório Nacional de Computação Científica fez, com sucesso, a empreitada de se conectar com a Universidade de Maryland, inaugurando uma nova era de comunicação.

Esse acesso entre universidades foi se expandindo, de forma que, em 1990, o CNPQ já conseguia fornecer internet para aproximadamente 600 instituições no país, incluindo a USP e Universidade Federal do Rio de Janeiro, além de órgãos do governo. A rede, nessa época era utilizada apenas para a comunicação acadêmica, como transferência de arquivos, debates e acesso a bases de dados do país e do exterior.

A partir daí a internet tomou uma dimensão incontrolável, alcançando cada vez mais mercados e investidores. O ano de 1996 foi marcado pela criação dos primeiros portais privados do Brasil, que eram o UOL – Universo Online e o Zaz. Em 1997, diversos órgãos públicos começaram a ganhar a informatização de seus sistemas. Um grande exemplo dessa informatização foi a declaração do Imposto de Renda que, primeira vez, poderia ser feita pela internet.

Outro grande marco do desenvolvimento da internet no Brasil ocorreu a partir da segunda década dos anos 2000, com o advento e popularização das conexões móveis, 3G e 4G. em 2016, o Brasil alcançou a marca de ter 50% de seus domicílios conectados à internet.

Desde seu início no Brasil até os dias atuais, muita coisa mudou, a velocidade, a forma de acesso e naturalmente a sua popularidade. Hoje não vivemos sem internet, pois conseguimos fazer tudo através dela.

O que temos que fazer nesse momento, é pensar o que mais podemos fazer para transformar o nosso conhecimento em produtos e vendas pela internet, pois empregos, serão bem reduzidos, tudo esta em constante transformação, e isso temos que aceitar e mudar a nossa forma de pensar e agir. Pense nisso.

%d blogueiros gostam disto: